Artesanato Indigena

A Arte e o Artesanato Indígena Brasileiro
Arte Indígena Brasileira e a Pintura Corporal

Arte Indígena Brasileira e a Pintura Corporal

A pintura no corpo é muito importante para as culturas indígenas, porque ela indica um lugar na sociedade e se relaciona com forças naturais e  sobrenaturais.

Ela  tem  vários  sentidos:  ritos  de passagem,  proteção  do  grupo  ou  do  indivíduo, cerimônias de casamento, de luto ou cura de doenças ou a função guerreira ou religiosa.

Os padrões dessa pintura podem  parecer  abstratos  aos  nossos  olhos,  mas  eles podem  estar  relacionados  à  vida  e  à  mitologia  de  cada  grupo  indígena  onde  é praticado.

Muitos  deles  praticam  a  pintura  corporal  há  séculos  –  o  que  chamou  a  atenção  dos  viajantes  e  estudiosos europeus  que  vieram  à  América.

Os  grafismos  aparecem  não  só  nos  corpos,  mas  também  em  objetos  utilitários  e rituais, nas casas e, atualmente, no papel.

Cada grupo indígena possui um repertório próprio de técnicas e padrões que  estão muito associados à sua  organização  social,  à  sua  cosmologia  e  às  relações  que  o  grupo  mantém  com  a natureza, com o mundo sobrenatural e também com seus inimigos.

Os pigmentos utilizados são, na maioria, o vermelho, feito com o pó da semente de urucum, e o azul-escuro, quase negro, fervendo ou macerando a polpa  do  jenipapo  verde  com  um  pouco  de  água  e  fazendo  uma  tinta transparente,  que,  após  algumas  horas, se  torna  escura.

As  tintas  produzidas são  aplicadas  com  as  mãos,  pontas  de  palha,  riscadores  de  madeira, chumaços de algodão, pincéis variados e até cachimbos feitos com o coco da palmeira babaçu.

Além  do  urucum  e  do  jenipapo,  costuma-se  usar  o  pó  de carvão para o pigmento preto, e do calcário, que se encontra na terra, para obter a cor branca.

VEJA  Artesanato Indígena da Amazônia ou Artesanato Indígena Amazonense

Esse tipo de pintura desaparece após alguns banhos.

Pintura Corporal Asurini do Xingu

Pintura Corporal Asurini do Xingu
Pintura Corporal Asurini do Xingu

São apenas 154 índios que vivem numa aldeia localizada à margem direita do rio Xingu, no Estado do Pará. Destacam-se por sua criatividade, expressa principalmente nas artes gráficas: seus desenhos geométricos decoram corpos e objetos, representando elementos da natureza e seres sobrenaturais.

A língua Asurini pertence à família Tupi-Guarani.

Pintura Corporal Karajá

Pintura Corporal Karajá
Pintura Corporal Karajá

Antigos moradores das margens do rio Araguaia, nos Estados de Goiás, Tocantins e Mato Grosso, formam um grupo de 3198 pessoas e falam uma língua que pertence ao tronco linguístico Macro-Jê.

Os dois círculos tatuados na face são uma característica marcante do grupo, que também possui belas pinturas corporais.

Pintura Corporal Krahô

Pintura Corporal Krahô
Pintura Corporal Krahô

Os Krahô vivem na Terra Indígena Kraolândia, no Estado do Tocantins. São um grupo de aproximadamente 2500 pessoas falantes de uma língua da família Jê.

Vivem em aldeias de formato circular e são muito conhecidos pelas corridas de toras que fazem todos os dias, logo depois de caçar, pescar ou trabalhar na roça.

As toras, feitas normalmente com o tronco do buriti, são preparadas e enfeitadas com muito cuidado pelos Krahô.

300x250

Pintura Corporal Matis

Pintura Corporal Matis
Pintura Corporal Matis

Os Matis somam 390 pessoas que vivem na Terra Indígena Vale do Javari, no Amazonas. Falam uma língua da família Pano.

Todos se reconhecem como mushabo (“gente tatuada”) ou wanibo (“gente da pupunha”), pois possuem tatuagens no rosto feitas com o espinho da palmeira da pupunha, um desenho que marca seu pertencimento ao grupo.

Pintura Corporal Xikrin Kayapó

Pintura Corporal Xikrin Kayapó
Pintura Corporal Xikrin Kayapó

São 1800 índios, aproximadamente, que vivem nas Terras Indígenas Cateté e Trincheira Bacajá, no Estado do Pará.

VEJA  Arte Indígena Brasileira (Resumo)

Os Xikrin, falantes de língua Kayapó, enfatizam a audição e a palavra e, por isso, perfuram orelhas e lábios logo na infância.

As mulheres são responsáveis pela elaborada pintura corporal e dedicam muito tempo para realizá-la.

Pintura Corporal Yanomami

Pintura Corporal Yanomami
Pintura Corporal Yanomami

Os Yanomami são um grupo indígena que habita a floresta Amazônica, na região da fronteira do Brasil com a Venezuela.

Como outros grupos indígenas, eles realizam pinturas e perfurações corporais. Enfeitam-se com braceletes confeccionados com plumas de pássaros.

Eles perfuram o lóbulo da orelha, o septo nasal e os lábios inferiores para inserir lascas de bambu.

O que é a Pintura Corporal?

pintura corporal é uma manifestação cultural presente em várias sociedades, como os indígenas, hindus, africanos e na sociedade ocidental por meio da maquiagem e da tatuagem.

Os índios utilizam a pintura corporal como meio de expressão ligado aos diversos manifestos culturais de sua sociedade.

Para cada evento, há uma pintura específica: luta, caça, casamento, morte… Todo ritual indígena é retratado nos corpos dos mesmos na forma de pintura, é a expressão artística mais intensa dos índios.

A tinta é feita de urucum, jenipapo ou babaçu, na maioria das vezes.

Pintura corporal indígena
Pintura corporal indígena

A pintura corporal também é usada de acordo com o gênero e a idade, com a finalidade de indicar os grupos sociais, ou a função de cada indivíduo na tribo.

São as mulheres que pintam os corpos, cujos desenhos carregam valor simbólico, visando retratar um momento ou um sentimento específico.

Há tribos que destinam as pinturas ao uso cotidiano, deixando as plumas para as comemorações e rituais indígenas, inclusive funerais.

Compartilhe Esta Página: