Artesanato Indigena

A Arte e o Artesanato Indígena Brasileiro
Artesanato Indígena Brasileiro

Artesanato Indígena Brasileiro

O artesanato indígena brasileiro, também chamado de arte indígena brasileira, é a arte produzida pelos povos nativos do Brasil, antes e depois da colonização portuguesa, que iniciou-se no século XVI.

Considerando a grande diversidade de tribos indígenas no Brasil, pode-se dizer que, em conjunto, elas se destacam na arte da cerâmica, do trançado e de enfeites no corpo.

A Criação do Artesanato Indígena Brasileiro

Quando dizemos que um objeto indígena tem qualidades artísticas, podemos estar lidando com conceitos que são próprios da civilização ocidental, mas estranhos ao índio.

Muitos povos não possuem nenhuma palavra para designar arte. No entanto, os objetos produzidos pelos índios têm exercido grande fascínio sobre os ocidentais desde os primeiros contatos, e tem sido difícil evitar atribuir-lhes qualidades artísticas pelo seu grande apelo plástico, pela sua originalidade, pela aura de mistério e exotismo que cerca suas culturas, pelas suas associações simbólicas e sociais, pelas suas funções rituais ou mágicas, elementos que são importantes também na definição ocidental de várias categorias artísticas.

No entanto, a “arte” indígena difere da arte contemporânea ocidental pelo seu caráter tradicional e seu forte utilitarismo.

Tradicional porque tende a seguir padrões herdados coletivamente, que desenvolvem pequena variação ao longo do tempo, formando-se um corpo de formas, usos e significados estáveis e bem caracterizados.

Isso é o que permite distinguir os trabalhos de uma tribo dos de outras, e aproxima a sua arte do folclore.

Também não existe a figura do artista como um indivíduo cuja preocupação maior é com a criação incessante do novo antes do que com a preservação da tradição herdada.

A mão individual, porém, sempre deixa marcas reconhecíveis na obra, uma marca que, permanecendo dentro de limites estreitos, é apreciada, e que também permite reconhecer os mestres em cada especialidade, cujo trabalho se destaca entre os demais e os habilita a ensinar a outros a tradição.

As produções indígenas são quase invariavelmente destinadas a algum uso. Confundem-se para eles arte e artefato, não existindo a ideia de arte por si mesma, aquela entendida primariamente para o puro desfrute estético.

Isso, no entanto, não quer dizer que os índios não saibam o que é beleza. Ao contrário, sua sensibilidade para a beleza é grande.

Mas principalmente, os objetos decorados, os entalhes, a cestaria, a cerâmica, a ornamentação corporal, a música, a dança, servem a funções definidas, ou dizem coisas específicas, falando verdadeira linguagem de domínio público.

VEJA  A Origem do Artesanato Indígena

Dentro da enorme diversidade de culturas indígenas do Brasil, generalizações se tornam muito enganosas, cada povo tem seu próprio universo de concepções.

Além disso, os estudiosos do assunto frequentemente divergem em suas interpretações, deixando a matéria sob constante debate.

Os Materiais Utilizados no Artesanato Indígena Brasileiro

É preciso não esquecer que tanto um grupo quanto outro conta com uma ampla variedade de elementos naturais para realizar seus objetos: madeiras, caroços, fibras, palmas, palhas, cipós, sementes, cocos, resinas, couros, ossos, dentes, conchas, garras e belíssimas plumas das mais diversas aves.

Evidentemente, com um material tão variado, as possibilidades de criação são muito amplas, como, por exemplo, os barcos e os remos dos Karajá, os objetos trançados dos Baniwa, as estacas de cavar e as pás de virar biju dos índios xinguanos.

As peças de cerâmica que se conservaram testemunham muitos costumes dos diferentes povos indígenas e uma linguagem artística que ainda nos impressiona.

São assim, por exemplo, as peças da Ilha de Marajó, que são divididas em dois tipos: Santarém e Marajoara.

As peças de Santarém apresentam tamanho pequeno, porém bem trabalhado. Já as peças Marajoaras, apresentam tamanho grande e normalmente contém pinturas de deuses ou animais, sempre contendo cores avermelhadas.

Para os índios, as máscaras têm um caráter duplo:

Ao mesmo tempo que são um artefato produzido por um homem comum, são a figura viva do ser sobrenatural que representam.

Elas são feitas com troncos de árvores, cabaças e palhas de buriti e são usadas geralmente em danças cerimoniais, como, por exemplo, na dança do Aruanã, entre os Karajá, quando representam heróis que mantêm a ordem do mundo.

As cores mais usadas pelos índios para pintar seus corpos são o vermelho muito vivo do urucum, o negro esverdeado da tintura do suco do jenipapo e o branco da tabatinga.

A escolha dessas cores é importante, porque o gosto pela pintura corporal está associado ao esforço de transmitir ao corpo a alegria contida nas cores vivas e intensas.

Através da pintura corporal, algumas tribos dão festas em homenagem a seus deuses, cada grupo como guerreiros, nobres e povo, se pintam e se enfeitam diferentemente.

Algumas pinturas chegam a serem bem elaboradas, algumas rompendo com as formas do corpo humano.

Onde Comprar Artesanato Indígena Brasileiro

Sites como o Mercado Livre tem muitos artesanatos indígenas brasileiros á venda. No Mercado Livre, por exemplo, você pode encontrar cocares, colares, brincos, arcos e flechas, esculturas, paneiros, cestos, e cuias.

Tipos de Artesanatos Indígenas Brasileiros

A Arte Indígena se confunde com a cultura brasileira, que é resultado da miscigenação de vários grupos, dentre eles os índios.

VEJA  A Influencia do Artesanato Indígena

Atualmente, existem cerca de 3 centenas de etnias de índios no Brasil. Embora cada uma delas seja detentora de costumes diferenciados, em virtude do desenvolvimento de características próprias, muitos desses costumes são encontrados em várias tribos.

Desta forma, cerâmica, máscaras, pintura corporal, cestaria e plumagem resultam em uma arte tradicional comum: a arte indígena.

Vale lembrar que a utilização de partes de animais no artesanato é exclusiva dos povos indígenas, mas sua comercialização é proibida.

Cerâmica

A cerâmica é um exemplo de arte que não está presente em todas as tribos indígenas. Os índios que a desenvolveram fizeram com tal exemplaridade que suas formas e pinturas são o resultado dessa qualidade.

Importa referir que os índios não utilizam a roda do oleiro e, mesmo, assim, conseguem desenvolver belas peças.

A cerâmica é praticada principalmente pelas mulheres, que criam recipientes, bem como esculturas e para as tornar mais bonitas, costumam pintá-las.

A cerâmica marajoara, cujo nome advém do local onde ela teve origem (a Ilha de Marajó) é conhecida no exterior e foi a primeira arte de cerâmica brasileira.

Máscaras

Apresentam um simbolismo sobrenatural. São feitas de cascas de árvores ou outros materiais, como palha, e podem ser enfeitadas com plumagem.

Elas são utilizadas em cerimônias, no momento das danças, com o objetivo de afastar espíritos. Diz a lenda que as máscaras representam as entidades que conflitavam com os índios no passado.

Deste modo, as festas e danças são feitas para alegrar e acalmar essas mesmas entidades. Há máscaras grandes, feitas com palhas compridas, que chegam a cobrir o corpo dos índios.

A máscara de cerâmica é exclusiva dos índios da etnia Mati.

Pintura Corporal

A pintura corporal é usada em certos rituais e, de acordo com o gênero e a idade. Sua finalidade é indicar os grupos sociais, ou a função de cada indivíduo na tribo.

As tintas utilizadas nessa arte são geralmente naturais, ou seja, são feitas de plantas e frutos. O jenipapo é o fruto mais utilizado para fazer tinta.

Os índios a utilizam para escurecer a pele, enquanto o urucu, por sua vez, dá o tom vermelho. São as mulheres que pintam os corpos, cujos desenhos carregam valor simbólico, visando retratar um momento ou um sentimento específico.

VEJA  CAVEIRA HUICHOL

Cestaria

Os cestos são utilizados para uso doméstico, na manutenção e transporte de alimentos. É mais praticado pelas mulheres, que desenvolvem variadas formas de trançados e em diferentes formatos.

Os tipos mais comuns de utensílios são:

  • Cestos-coadores – para coar líquidos;
  • Cestos-tamises – para peneirar farinha;
  • Cestos-recipientes – para guardar diferentes materiais;
  • Cestos-cargueiros – para transportar cargas.

Plumagem

As plumas são utilizadas nos rituais e são coladas diretamente no próprio corpo. Elas servem também para ornamentar máscaras, colares, braçadeiras, brincos, pulseiras e cocares, os quais são feitos de penas e de caudas de aves.

Tal como a pintura corporal, a plumagem serve também para indicar os grupos sociais. Na maior parte, são os homens que desenvolvem a arte plumária.

Essa arte passa por um ritual: primeiro a caça, passando pelo tingimento (a chamada tapiragem), pelo corte nas formas desejadas e amarração.

Há tribos que destinam as pinturas ao uso cotidiano, deixando as plumas para as comemorações e rituais indígenas, inclusive funerais.

Características da Arte Indígena Brasileira

A arte com cerâmica, os enfeites para o corpo e o trançado são alguns dos artesanatos que mais se destacam na cultura indígena, sendo que, na maioria das vezes, os índios transformavam o material que vinha da terra, como sementes, barro, folhas, cipós, penas, plumas, couro, etc, para criar itens que ajudassem a suprir as suas necessidades.

Cada pintura tinha uma mensagem e era a representação dos membros da tribo, quem eles eram, além de trazer sorte para as caçadas, pesca e até mesmo para as batalhas, entre tribos.

O mesmo acontece com as plumas, que são usadas para enfeitar. A arte indígena no Brasil é um reflexo do folclore, das crenças, tradições e até mesmo da espiritualidade de cada tribo, por isso, podem ter diferentes elementos e significados, dependendo da região.

A cerâmica é um dos artesanatos indígenas mais populares e, são utilizadas em diversos itens do uso diário, como panelas, jarros, vasos e utensílios domésticos, além de enfeites, esculturas, máscaras, entre outros.

Esses artigos, como a maioria dos artesanatos indígenas, eram decorados com tintas, feitas com produtos naturais, com desenhos abstratos, representações do cotidiano ou algo similar as pinturas que eles faziam em seus corpos.